terça-feira, 6 de outubro de 2009

solidão



a noite na sala
não tem astros

a solidão
um som que não sei imitar
embora o eco permaneça
repetindo a dor

no leito
o rio escorre o seu sono nervoso
e nada ao redor
faz parte do seu sonho

tudo é tão real
quanto o vôo da mosca
interrompido pela língua
do homem-rã

Nenhum comentário: