segunda-feira, 26 de outubro de 2009

CANTO DO ESCURO




o sol cai sem pára-quedas
no local de sempre
aposto um mar que hoje não sofre
um sal no filete de sangue
um mal no meio do corte
há postes imprecisos
luzes precisam do escuro
luzes precisas

Nenhum comentário:

RUA BENFICA

  o mais antigo numa casa antiga é o silêncio divide o corredor com o tempo ambos trôpegos quase abraçados espalham grossas pa...