sexta-feira, 16 de outubro de 2009

POEMA DE FRANKLIN JORGE

Apenas um madrigal


Liberto da cueca
os culhões ao vento.
Escovo os dentes
mais por hábito
que por higiene e,
enquanto a água tépida
escorre da torneira
com a mão esquerda
esfolo o meu pênis.

Nenhum comentário:

OXÍMERA E A SUA OBRA

Oxímera construiu um desenho no piso do quarto para isso precisou afastar a cama exibindo assim o lixo que estava ali acumulado ela ...