quinta-feira, 3 de março de 2011

AS COISAS DESARRUMADAS

a poesia existe para desarrumar tudo
disseram isso quando eu era mudo
depois disso comecei a falar
e tudo que é pétala virou página
e tudo que era pau virou planta
e tudo que era céu virou garganta
e o que parecia infinito pareceu me engolir
e o que parecia bonito pareceu existir
e nunca mais minha fala
deixou as coisas arrumadas

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...