terça-feira, 1 de março de 2011

VISTA DO PORTO

o amor não engorda
o peso que carrega
é o medo que o transporta
o navio ancorado
no cais do olho
impõe sua quilha
qual virilha
furando o casco do amor
uma lágrima
cria outro oceano
onde se lança o amor

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...