quarta-feira, 23 de março de 2011

POEMA SEM TEMPO

meu tempo
para a poesia
é escasso
a poesia
para o meu tempo
é escassa
em carne viva
a palavra espremida
a quase palavra
estendida
entre o silêncio
e o outro

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...