sexta-feira, 25 de novembro de 2011

CÉU DE MARTE

parecia escorrer da pele
e a pele corria desaguada
ficaram os ossos
os nervos expostos na bienal
moviam-se ao som das máquinas fotográficas
todo poder obtuso da arte
pendurou meu corpo
no céu de marte

Nenhum comentário: