sexta-feira, 19 de agosto de 2011

SOB A TAMPA

não movo as flores
não respiro
não me mexo
aos poucos me torno
o que pareço
sob a tampa no escuro
decomposto obscuro

Nenhum comentário: