terça-feira, 6 de agosto de 2013

CASA ABANDONADA

o poema
é a casa abandonada
pelo poeta
a palavra
aparente mobília
o silêncio
aparente alicerce
o poema
erguido sozinho
no meio da página
ausente de vila
ausente de rua
a casa abandonada
pelo poeta
espera que alguém
a invada
e imagine
ser sua

Nenhum comentário:

AQUELES DIAS DE DESESPERO

  tem dias que bate um desespero uma vontade de arrancar os cabelos até os pentelhos vontade de correr nua pelas ruas ampliar o co...