segunda-feira, 12 de agosto de 2013

MÃOS TRÊMULAS

as minhas mãos tremem
mas não solto
seguro com a segurança possível
minhas mãos lembram as colinas
quando tremeram
não conseguiram segurar as palavras
a ideia contida no vento
a árdua faca de nuvem
não largo o que carrego
apesar das mãos trêmulas
nem é pesado
um feixe de luzes
parecendo apagadas
enterro nas curvas
até surgirem as palavras

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...