terça-feira, 6 de setembro de 2011

A BOMBA

a bomba separou os abraços
como um beijo
tornou estilhaços o azulejo
que formava a tarde
a bomba tornou inútil a primavera
tornou caminhos crateras
tornou pensar algo dormente
transferiu o metal do soldado
para a gente

Nenhum comentário: