segunda-feira, 12 de setembro de 2011

COMO SE A VIDA FOSSE QUEBRAR

escolho objetos
como se a vida fosse quebrar
guardo em armários abertos
nos vasos sem fundos
recolho objetos
como se a minha vida
fosse quebrar
guardo em desertos
cobertos de mar

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...