sexta-feira, 16 de setembro de 2011

PARA TUDO

tem gente
que quer um pedaço de lua desses
e não tem
tem gente
que vive sempre de dia
mergulhado num suor
que não é seu
tem gente
que madruga sem ter noção do escuro
tem gente
que escreve e pensa estar
usando palavras
tem gente
que enxerga sem usar os olhos
e a paisagem vista
passa a fazer parte do corpo
de quem enxerga
tem gente
que brilha sem cor e as lacunas escusas
não suportam
tem gente
que nem sabe que é gente
e permanece ruminando
a grama que arranca
entre os artelhos

Nenhum comentário:

RUA BENFICA

  o mais antigo numa casa antiga é o silêncio divide o corredor com o tempo ambos trôpegos quase abraçados espalham grossas pa...