terça-feira, 7 de dezembro de 2010

PARALAXE

aos que gemem
sem o peso da sombra
aos que pesam
sem repouso
aos que me bifurcam
e me encontram
aos que me acendem
sem desculpas
ofereço o meu desamparo
diante da folha que curvo
diante do vulto intruso
poema que me despedaça

Nenhum comentário: