quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

VERTIGEM

belo ou ralo
comum ou raro
um poema sem vertigem
é um poema sem pele
e sem pele
só ossos e nervos
e músculos expostos
difícil também
não causar vertigem
e mesmo sem corpo
só alma
ou quase isso
quase nada
ainda resta a vertigem
e aos que planam
aos que penam
aos que não enxergam
os que não tem noção da vertigem
ainda assim fazem parte
da mesma queda

Nenhum comentário: