terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

OS QUE CAÍAM DA JANELA

das pessoas que caíam das janelas
lembro dos olhos
nuvens de paisagens inacabadas
arvores e postes circulando
gosmas e salivas e sangue represado
das pessoas que caíam das janelas
caiam outras pessoas
por aqueles buracos
parecidos com lembranças
pessoas cujas sombras
os mortos herdaram

Nenhum comentário:

PELAS RUAS DE SÍTIO NOVO

caminhamos tranquilos pelas ruas de Sitio Novo o córrego e eu entendemos de sigilo escorremos nossos segredos pelo meio-fio até que o sol de...