quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

ARRANHÃO LUNAR

quando a nuvem arranhou a lua
eu estava longe mas ouvi o barulho
rasgar de página de água sem luz própria
então me aproximei
e descobri que a nuvem não existia
o que arranhou a lua
foi a poeira da poesia

Nenhum comentário:

AQUELES DIAS DE DESESPERO

  tem dias que bate um desespero uma vontade de arrancar os cabelos até os pentelhos vontade de correr nua pelas ruas ampliar o co...